17°C 33°C
Ribas do Rio Pardo, MS

Hashioka solicita ao Governo de MS novo programa de parcelamento tributário

Com objetivo de incremento de arrecadação e para auxiliar empresas a se regularizarem junto à Fazenda Estadual, o deputado estadual Roberto Hashiok...

08/05/2024 às 17h15
Por: Prorio FM Fonte: Assembleia Legislativa - MS
Compartilhe:
 A indicação foi lida durante a sessão ordinária da Assembleia Legislativa desta quarta-feira, 8
A indicação foi lida durante a sessão ordinária da Assembleia Legislativa desta quarta-feira, 8

Com objetivo de incremento de arrecadação e para auxiliar empresas a se regularizarem junto à Fazenda Estadual, o deputado estadual Roberto Hashioka (União Brasil) apresentou uma indicação ao governador Eduardo Corrêa Riedel e ao secretário de estado de fazenda, Flávio César Mendes de Oliveira, solicitando estudos para implantação de um programa de recuperação fiscal (Refis) ou um programa de transação tributária. A indicação foi lida durante a sessão ordinária da Assembleia Legislativa desta quarta-feira, 8.

Conforme justificativa, já faz alguns anos que Mato Grosso do Sul não implementa nova legislação prevendo formas excepcionais de pagamento de débitos junto à Fazenda Pública Estadual. Para manter-se atualizado quanto à questão, é necessário que o Estado crie alternativas, tais como um programa de recuperação fiscal ou de transação tributária estadual, incluindo tanto o regime geral de tributação quanto o regime do Simples Nacional.

Ainda em sua argumentação, o parlamentar informa que a União, em suas recentes normas sobre transações tributárias, possibilita, de acordo com a capacidade de pagamento de cada empresa, parcelamento em até 120 ou 140 vezes, com descontos de até 65% na multa, juros e honorários advocatícios. Também o Estado de São Paulo, que instituiu sua transação tributária, possibilitando o parcelamento em até 145 vezes e com descontos de até 70%. “Com um estudo aprofundado sobre o tema, poderemos ter um programa aqui em nosso Estado que atenda às demandas dos setores produtivos e, em contrapartida, beneficie a arrecadação estadual”, afirmou Hashioka.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários